Empreendedorismo

Como montar uma loja virtual? Dicas contábeis e Passo a Passo para seu Ecommerce

Atualizado em 26 ago 2020

Quer saber como montar uma loja virtual? Como qualquer negócio, esse processo inclui escolher um nicho de atuação, definir o público-alvo, legalizar a empresa obtendo o CNPJ etc. A grande diferença é que seu negócio estará na internet, o que reduz diversos custos operacionais e ajuda a atingir ainda mais clientes.

Como montar uma loja virtual? Veja como abrir um e- commerce passo a passo!

Que tal descobrir como montar uma loja virtual (e-commerce) e começar a empreender nesse segmento que cresce cada dia mais?

De acordo com a 41ª edição da pesquisa Webshoppers, e-commerce cresceu 16% em 2019. Em faturamento, esse número representa R$ 61,9 bilhões em vendas.

O número de pedidos feitos em lojas virtuais aumentou 20,1% em comparação a 2018, sendo esse um dos principais motivadores do crescimento do setor ao longo dos anos.

Outro fator que impulsiona esse mercado é a porcentagem cada vez maior de novos consumidores: 10,7 milhões de novos compradores em 2019, segundo a pesquisa.

O acesso cada vez mais fácil à internet é, certamente, um dos fatores da mudança de comportamento dos consumidores, que viram nos e-commerces a praticidade das aquisições via internet.

Para os empreendedores, uma das vantagens de se lançar nesse setor fica por conta da possibilidade de trabalhar em diferentes vertentes.

Ter uma loja virtual é democrático, pois é possível comercializar alimentos, bebidas, itens de decoração, artigos esportivos, produtos de perfumaria, roupas, calçados e muito, muito mais.

Mas como qualquer negócio é preciso fazer um bom planejamento, se adequar às leis, legalizar a empresa, abrir um CNPJ, entre outras etapas.

Acompanhe e aprenda todos os passos!

O que é uma loja virtual / e-commerce? 

Mas antes de ensinar o passo a passo de como montar uma loja virtual, é bem importante que você saiba ao certo o que se trata esse tipo de negócio.

Loja virtual, ou e-commerce, é uma maneira de realizar vendas de diversos produtos, ou serviços, pela internet.

Para isso, é criado um site, ou utilizado uma plataforma previamente pronta, para dispor ao público tudo o que está sendo comercializado.

No entanto, uma loja virtual não se limita a exposição desses itens, como se fosse uma vitrine eletrônica.

Para considerar um e-commerce completo é preciso pensar em diversos detalhes que envolvem desde a parte estética da página, até a oferta de meios de pagamento, frete e opções de entrega.

Isso porque todas as etapas da compra serão realizadas pelo seu site, ou seja, desde o momento da escolha do produto, até a efetivação da compra, tudo é feito sem que haja a interação do cliente com um vendedor.

Assim, saber como ter um e-commerce de sucesso envolve oferecer ao seu público soluções que otimizem a aquisição. Essas, por sua vez, contribuem (muito) para o aumento das suas vendas.

Qual a diferença entre e-commerce e marketplace?

Quem busca saber como montar uma loja virtual acaba se deparando com uma dúvida bastante comum: qual a diferença entre e-commerce e marketplace?

Ainda que ambos os tipos de comércio estejam em ambientes virtuais, há diferenças importantes entre eles. É essencial que antes de tudo estejam bem claras as diferenças entre Loja Virtual e Marketplace para saber qual o melhor caminho para sua empresa seguir.

A primeira é que e-commerce é uma loja exclusiva, ou seja, você montará apenas para vender os produtos e serviços da sua empresa.

Já o marketplace é uma plataforma criada para venda de itens de outras marcas, funcionando semelhante a um shopping virtual.

No caso do e-commerce, por ser um espaço exclusivo da sua marca, todos os processos são de sua responsabilidade. Por exemplo, o controle de estoque, os valores cobrados por cada produto ou serviço, a logística de cobrança e de entrega etc.

Por outro lado, todo o faturamento também é seu, já que não há intermediários nesse tipo de venda on-line.

Mas se preferir abrir uma plataforma marketplace, todos os pontos que citamos são cuidados pelos proprietários das marcas.

Ou seja, se um cliente entra no seu marketplace e adquire um produto, o envio é feito pela loja que o está vendendo. Nesse caso, você não precisa se preocupar com estoque nem logística de entrega.

Por outro lado, quando uma pessoa compra de um marketplace e tem algum problema, seja de pagamento, entrega etc, é do nome da plataforma que ela se lembrará, e não da loja que vendeu o produto ou serviço a ela. 

Isso acontece porque o marketplace funciona como uma ponte entre o consumidor e o lojista. Assim, é preciso também estar pronto para lidar com a questão de imagem e reputação. 

Mas se as mercadorias e serviços não são seus, qual a vantagem financeira de abrir um marketplace? Nesse tipo de negócio o lucro virá das taxas e tarifa pagas pelos lojistas para utilizar o seu espaço virtual.

Como funciona uma loja virtual? 

Saber como montar uma loja virtual inclui entender a fundo como esse tipo de negócio funciona. Por isso, separamos alguns tópicos bem importantes.

1. Processo de venda de um e-commerce

De uma forma bem prática, o processo de venda em um e-commerce acontece da seguinte maneira:

  • você disponibiliza seus produtos e/ou serviços no seu site;
  • o consumidor escolhe o item que deseja e o adiciona ao carrinho de compras;
  • após escolher tudo o que precisa, segue para efetivação do pagamento;
  • o consumidor realiza o pagamento virtualmente, por meio de transferência bancária, débito, crédito, boleto, carteira digital, de acordo com a sua oferta;
  • com a confirmação do pagamento, é preciso separar os itens vendidos e direcioná-los para envio;
  • dependendo da sua opção, a entrega pode ser feita via motoboy, Correios ou transportadora.

2. Montagem da loja virtual

O responsável pelo processo de montagem da loja virtual vai depender do tamanho do negócio.

Imagine uma pequena empreendedora que trabalha com bolos e doces gourmets para festas e que viu na internet uma possibilidade de aumentar as vendas.

Considerando ser uma microempresária, é bem provável que a etapa de montagem do e-commerce também fique por sua conta.

Nesse caso, após escolher qual plataforma vai usar para montar uma loja virtual, é preciso fazer o cadastro de todos os produtos.

Aqui, é essencial tirar boas fotos, que ajudem a visualizar detalhes do que está sendo vendido e, com isso, aumentar as chances de venda.

É preciso também pensar na descrição de cada item, dando aos clientes todos os dados necessários que o ajudem a tomar sua decisão de compra. 

Por exemplo, dependendo do que está sendo comercializado, é preciso descrever as cores e tamanhos disponíveis, material com o qual o produto foi fabricado, se há necessidade de montagem etc.

Se usarmos ainda o exemplo da loja de bolos e doces que mencionamos, é importante especificar sobre os sabores, quantas pessoas cada produto serve, entre outros detalhes.

3. Administração da loja virtual

Se pensarmos em um e-commerce que está em início de atividades, o mais comum é que o próprio empreendedor seja o responsável por todas as etapas, a exemplo da montagem citada anteriormente.

Assim, desde a escolha do nome, quais produtos e serviços serão oferecidos, como será feito o controle de estoque, como será a logística de entrega, entre outros pontos, tudo isso pode ficar a seu cargo.

No entanto, dependendo do tamanho da sua empresa, é possível contar com o apoio dos demais colaboradores.

Aqui, tem um ponto que vale ser destacado: muitas lojas já atuam no meio físico e, por isso, já contam com uma equipe formada.

Mas a transformação digital está levando muitos negócios a migrarem também para o mundo virtual, a fim de abranger uma parcela ainda maior de clientes.

Ou seja, é bastante comum que o e-commerce seja uma novidade para a empresa, ainda que essa já esteja no mercado há algum tempo.

4. Outros detalhes de como montar uma loja virtual

Mas assim como qualquer outro negócio, saber como montar um e-commerce inclui pensar diversas outras questões, tais como:

  • política de devolução de produtos;
  • política de reembolso;
  • criação de promoções e descontos;
  • emissão de notas fiscais.

Além disso, por estar em um ambiente on-line, é essencial cuidar da segurança dos dados dos seus clientes, especialmente os financeiros.

Por isso, ao escolher os meios de pagamentos oferecidos, busque soluções conhecidas no mercado, oferecidas por empresas idôneas e renomadas.

Considere também as tarifas cobradas pela intermediação das operações, pois essas podem influenciar no valor final cobrado do consumidor e no seu lucro.

O que é preciso para montar uma loja virtual? 

Agora que você sabe um pouco mais dos principais pontos de como montar uma loja virtual, é hora de descobrir o que é preciso para tirar esse projeto do papel e torná-lo realidade.

Assim, veja o passo a passo de como abrir um e-commerce de sucesso!

1. Escolha o seu nicho

Lembra que, no início deste texto, falamos que uma das vantagens de montar um e-commerce é que se trata de um segmento democrático? Ou seja, vários nichos podem ser explorados nessa forma de venda. 

Veja alguns exemplos que fizeram para da pesquisa da Ebit:

Pesquisa Ebit loja online

Fonte: Ebit

pesquisa ebit loja online 2

Fonte: Ebit

No entanto, ainda que as possibilidades sejam muitas, é importante que escolha aquele que tenha mais relação com o que gosta de trabalhar, e não o que indica ter maior rentabilidade.

Por exemplo, vamos supor que você trabalhe com a venda de salgadinhos, mas viu que as lojas de departamento são as que mais se destacam no segmento on-line (50% mais pedidos e 67% mais faturamento em 2019, segundo pesquisa da Ebit).

Será que, ainda assim, vale a pena investir em uma área que não conhece visando um lucro maior no futuro?

Não esqueça que um negócio de sucesso também tem a ver com a paixão que o empreendedor tem por sua empresa

Além disso, até que tudo esteja funcionando corretamente, todo o seu tempo e empenho serão dedicados ao crescimento da sua empresa. 

Assim, gostar do que faz e conhecer bem o assunto é essencial para que sua loja virtual dê certo.

Por isso, ao escolher seu nicho de atuação, dê preferência às áreas que domina, gosta e tem experiência. As chances de sucesso serão bem maiores!

2. Faça uma análise da concorrência

Mas assim como você diversas pessoas podem ser a mesma preferência. Por isso, dependendo do segmento, pode haver uma vasta oferta de lojas virtuais.

Uma maneira de se destacar dos concorrentes é fazendo uma análise prévia do mercado e de suas ações.

Assim, saber como montar uma loja virtual inclui verificar se o produto ou serviço que pretende oferecer já não está saturado no mercado. Mas caso esteja, não precisa desanimar e desistir de empreender.

Se porventura isso acontecer, ao analisar seus concorrentes você verá o que eles estão oferecendo e, com isso, terá insights para criar diferenciais.

Além disso, estudar outras empresas do mesmo ramo de atuação permite que você identifique possíveis falhas, seja na oferta dos produtos, na logística de entrega, na apresentação no site etc.

Com isso, pode se antecipar a possíveis erros e consegue oferecer ao público soluções que suprirão essas demandas. 

3. Defina seu público-alvo

Passada essa etapa, para ter um e-commerce de sucesso é preciso afunilar ainda mais a sua abordagem, encontrando o público-alvo com o qual pretende trabalhar.

Por exemplo, seu interesse pode ser a venda on-line de roupas, mas será masculina ou feminina? As peças serão voltadas para adultos, adolescentes ou crianças?

Ou seja, dentro de um mesmo segmento há diversas vertentes que pode ser trabalhadas.

No caso dos alimentos, por exemplo, você pode oferecer produtos específicos para certos gostos e opções alimentares: veganos, vegetarianos, sem glúten, para intolerantes a lactose, entre outros.

Ao definir seu público-alvo você consegue oferecer produtos e serviços mais pontuais, que realmente atendam às necessidades dos seus clientes.

Além disso, essa definição é fundamental para determinar também seus preços de venda. 

Por exemplo, se identificar que a sua maior clientela é formada pela classe C (renda familiar entre R$ 2.005 e R$ 8.640), oferecer produtos acima da média de consumo dessas pessoas pode impactar diretamente no volume de suas vendas.

4. Analise os produtos que serão vendidos

Outra forma de saber como abrir uma loja virtual de sucesso é se atentando aos itens que serão comercializados.

Ainda que você tenha um nicho de atuação, produtos e serviços muito sazonais podem limitar seu faturamento.

Um negócio que só vende panetone, por exemplo, está direcionado a ter alta demanda de serviço apenas em uma época específica do ano. 

Para resolver essa questão, é importante considerar a disponibilidade do seu produto, bem como das matérias-primas usadas, seja no caso de fabricação própria, ou da compra para revenda.

Porém, se seus produtos seguem essa linha, não há motivos para desanimar ou desistir de montar sua loja virtual.

Para que a sua empresa dê certo, a dica é que você faça um bom controle de fluxo de caixa, cuidando para reservar os valores necessários para manter o funcionamento nos meses de volume de venda menor.

Além disso, nada impede de encontrar novas soluções dentro do seu segmento. Por exemplo, lançar novos produtos, oferecer cursos, entre outros. Inovar é sempre um bom negócio!

5. Use os melhores recursos tecnológicos

Ao descobrir como abrir um e-commerce você verá que a tecnologia será uma de suas maiores aliadas. 

Ainda que não entenda nada de construção de sites, há diversas soluções disponíveis no mercado que permitem a criação de uma loja virtual do zero, mesmo para quem é leigo no assunto.

De modo geral, as plataformas de e-commerce trazem a solução completa para quem quer empreender nessa área.

ecommerce-loja-virtual-compra

Assim, é possível criar um site para vendas via internet com funções como zoom para as fotos, cálculo de frete, variadas opções de pagamento etc.

No entanto, ainda que haja toda essa ajuda, é essencial que você se atente ao alguns detalhes ao montar o seu e-commerce, tais como:

  • layout: deve ser dinâmico, intuitivo e de fácil navegação;
  • adaptação a dispositivos móveis: sua loja virtual precisa abrir em dispositivos móveis (tablet, smartphones e outros), da mesma maneira que abre em telas maiores garantindo, inclusive, as mesmas funções;
  • checkout simples: a compra deve ser concluída de maneira simples e rápida, solicitando o menor número de dados possível do cliente;
  • rastreamento: oferecer a função de rastreamento da mercadoria;
  • cálculo de frete: disponibilizar ferramenta que permite o cliente calcular o frete antes de fechar a compra;
  • meios de pagamento: uma vasta oferta de meios de pagamento incentiva ainda mais a compra;
  • segurança: sites de vendas precisam ser seguros e mostrar isso aos clientes, por isso, é essencial contar com o certificado de segurança (SSL).

6. Foque no atendimento ao cliente

Muitas pessoas ainda têm receio de comprar on-line, ainda que essa seja uma forte tendência.

Parte disso se deve ao fato de, nem sempre, ter uma loja física a qual possa se dirigir caso seja preciso fazer alguma reclamação.

Por isso, além da oferta de bons produtos e serviços, o atendimento ao cliente deve ser um dos focos do seu negócio.

Ainda que a venda não exija contato direto entre vendedor e comprador, é fundamental que esse possa contar com canais de comunicação, caso seja necessário.

Assim, é importante que seu e-commerce tenha, em local de destaque, os meios disponíveis para que o cliente entre em contato, por exemplo, e-mail, telefone fixo e WhatsApp.

Dependendo dos recursos disponíveis no seu site, é possível disponibilizar ainda um chat on-line para esclarecimento de dúvidas, solicitações, suporte etc.

Uma área de FAQ, Frequently Asked Questions, ou Perguntas mais Frequentes, também é bastante válido, pois otimiza o processo de atendimento e confere mais segurança ao cliente.

7. Crie uma boa estratégia de marketing

Mas tudo isso só terá resultado se as pessoas souberem que o seu comércio eletrônico existe, concorda?

Por isso, outra etapa que você precisa saber de como montar uma loja virtual é a criação de uma boa estratégia de marketing.

E como estamos falando de vendas via internet, nada mais apropriado do que utilizar as próprias ferramentas disponíveis nesse meio:

  • Google Adwords: ferramenta de criação de anúncios pagos no Google. Mostra seus produtos e serviços a quem procura por palavras relacionadas a eles;
  • Facebook Ads: ferramenta de criação de anúncios pagos do Facebook. Permite segmentar o público-alvo e apresentar suas propagandas a quem realmente tem interesse no que comercializa.

Porém, se estiver iniciando e ainda não tiver verba disponível para investimento em marketing, é possível usar algumas soluções gratuitas para tornar a sua empresa conhecida:

  • redes sociais: criando um perfil do seu negócio nas principais redes sociais e fazendo postagens relevantes ao seu público-alvo;
  • e-mail marketing: disparo de e-mails a potenciais compradores, desde que esses já tenham demonstrado interesse na sua loja virtual e, dessa forma, fornecido o endereço eletrônico para envio das mensagens;
  • SEO: consiste em otimizar seu site para que seja encontrado pelos motores de busca e, assim, indicado para o público.

Aqui, vale um adendo. Ainda que o SEO — Search Engine Optimization, ou Otimização para motores de busca — seja um recurso possível de ser feito sem custos, é preciso certo conhecimento no assunto para otimizar as páginas da maneira correta.

Isso inclui desde as palavras-chave utilizadas na descrição dos produtos, até os tipos de materiais que serão produzidos para atrair o público.

No entanto, esse é um recurso essencialmente para que sua loja virtual seja encontra nos sites de busca, como o gigante Google. Assim, talvez seja interessante contar com um profissional dessa área.

Qual o custo para abrir uma loja virtual? 

Dito tudo isso, você deve estar se perguntando: “Mas quanto custa abrir uma loja virtual?”. Acertamos?

Ainda que não haja preocupação com locação de espaço, um e-commerce também demanda custos tanto para o início das atividades quanto para seu funcionamento ao longo dos meses.

Em linhas gerais, um e-commerce gera menos gastos do que uma loja física. No entanto, um dos principais pontos que vai influenciar no valor para começar sua loja virtual tem a ver com o desenvolvimento do seu site.

Por isso, não é possível dar um valor exato. Mas para que você possa ter uma ideia, é possível investir a partir de R$ 30 a R$ 8.000 por mês com o aluguel de uma plataforma de e-commerce, ou a partir de R$ 6.000 para o desenvolvimento de um site exclusivo.

Mas além do valor do site propriamente dito, há outros fatores que vão influenciar na rotina financeira do seu negócio, tais como:

  • estoque inicial;
  • estrutura e formalização;
  • capital de giro.

1. Estoque inicial

Não é preciso um grande estoque para iniciar as atividades de um e-commerce. Dependendo do segmento, você pode abrir sua loja com poucos itens e ir aumentando a demanda de acordo com a evolução das vendas.

No caso de ser algo de fabricação própria, pode montar um bom estoque de matéria-prima e somente fazer a produção conforme as encomendas chegarem.

Seja qual for a sua opção, saiba que de 30% a 40% do seu investimento inicial deve ser destinado a essa área.

2. Estrutura e formalização

A estrutura de um e-commerce será uma de suas menores despesas. 

Aqui, é possível incluir a aquisição de um bom computador (caso queira), impressora para as etiquetas de envio, caixas, pacotes, envelopes etc.

Além disso, é preciso separar o valor necessário para a formalização do seu negócio

Sim! É preciso ter um CNPJ, Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, para que possa emitir suas notas fiscais. Sobre isso, falaremos logo adiante!

Quanto aos gastos de estrutura e formalização, você pode separar entre 5% a 20% do valor que será investido.

3. Capital de giro

Capital de giro é o valor que sua empresa precisa dispor para se manter financeiramente saudável e suprir necessidades financeiras ao longo de sua jornada.

Ou seja, um valor compatível para arcar com despesas fixas e variáveis, especialmente em períodos com volume menor de vendas.

Esse montante será necessário para, por exemplo, pagar fornecedores até que receba os valores provenientes de vendas parceladas.

Aqui, o valor de capital de giro vai depender do tamanho do seu negócio e das suas despesas mensais. No entanto, é indicado que separe entre 40% a 65% do seu investimento para esse fim.

Qual o custo de e-commerce vs loja física? 

Pensando em como abrir uma loja virtual e todos os seus gastos, não seria então mais viável financeiramente abrir uma loja física?

Para se ter uma ideia, montar uma loja de roupas, por exemplo, custa, em média, R$ 30 mil. Mas há quem monte negócios menores com, pelo menos, R$ 5 mil. Ou seja, é possível abrir uma empresa com pouco dinheiro.

No entanto, além do valor gasto para montar uma loja virtual ou uma loja física, é interessante que você saiba as vantagens e desvantagens de cada tipo de comércio.

Para lhe ajudar nessa decisão, fizemos uma comparação entre os dois segmentos.

ecommerce-loja-virtual-compra-cartão

1. Acesso e disponibilidade

Ao contrário de uma loja física, um e-commerce se mantém aberto e à disposição dos clientes 24 horas dia, 7 dias da semana, incluindo sábados, domingos e feriados

Essa característica, por si só, já é um fato que impacta diretamente no seu volume de vendas.

Quanto ao acesso a uma loja virtual, também é muito mais fácil. Ela está, literalmente, a um clique de distância e pode ser “visitada” de um simples smartphone. 

Além disso, não apenas consumidores da sua região poderão se tornar seus clientes. Por estar na internet, seu e-commerce tem chances de atender clientes do país inteiro.

2. Informações do produto

As informações dos produtos em um e-commerce são muito mais detalhadas do que em uma loja física. 

Ainda que na venda presencial haja um vendedor para tirar as dúvidas dos clientes, muitos detalhes importantes podem passar despercebidos. E esse fato pode ser decisivo na tomada de decisão do cliente.

3. Custos operacionais

Mesmo com os custos referentes ao desenvolvimento do site, ou aluguel da plataforma de e-commerce, ainda assim, as despesas operacionais de uma loja virtual são menores do que de uma loja física.

Comerciantes on-line não precisam se preocupar com questões como aluguel ou compra do espaço, móveis e decoração, segurança, limpeza, água, comissão de vendedores, entre outros gastos.

4. Meios de pagamento

Lojas físicas costumam aceitar cartões de crédito, débito e dinheiro como meios de pagamento (algumas ainda trabalham com cheques, mas é mais raro).

Já os e-commerces podem não aceitar dinheiro ou cheque, mas podem oferecer outras formas de pagamento em compensação, tais como carteira digital (por exemplo, PayPal e Mercado Pago, PagSeguro) e boleto bancário.

5. Tempo para abertura

De modo geral, montar uma loja virtual demora menos tempo do que uma loja física. 

Isso acontece porque não é preciso lidar com a infraestrutura, por exemplo, encontrar um imóvel para alugar ou comprar, pintar, decorar, mobiliar etc.

6. Comodidade para o cliente

Comprar o que quiser sem precisar sair do conforto de casa, realmente, não tem igual. Também por isso, cada vez mais pessoas estão preferindo essa forma de consumo.

Além disso, a exemplo do que aconteceu por conta da pandemia de coronavírus, que levou ao fechamento dos comércios de rua, apenas as lojas virtuais continuaram operando.

Essa mudança de comportamento fez com que 61% dos consumidores aumentassem seu volume de compras on-line, segundo a pesquisa “Novos hábitos digitais em tempos de Covid-19” da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

7. Experiência do cliente

Mesmo sem um contato presencial, o comércio on-line promove boas experiências de compra ao cliente.

Entre as vantagens, está o fato de que o cliente pode, em poucos segundos, fazer uma comparação de preço entre os concorrentes.

Segundo a pesquisa “UPS Pulse of the Online Shopper”, 90% dos consumidores pesquisam itens antes de comprá-los on-line.

Concorda que não precisar andar de loja em loja facilita bastante esse processo?

8. Gestão financeira 

Mas para os varejistas, ter um comércio virtual também traz vantagens administrativas.

As diversas ferramentas on-line disponíveis ajudam a mensurar melhor os dados de venda, analisar taxas de conversão, verificar resultados de campanhas de marketing etc.

Além disso, é possível identificar e analisar melhor o comportamento dos clientes, tendo assim importantes insights para criar estratégias de vendas mais pontuais.

9. Preços

Lojas virtuais costumam ter preços mais acessíveis do que as físicas. 

Entre os motivos dessa diferença está o fato desse tipo de comércio de ter bem menos custos operacionais, evitando que esses gastos sejam repassados aos clientes.

10. Atendimento

Por mais que as vendas on-line estejam em constante crescimento, muitas pessoas ainda não abrem mão das compras presenciais.

Parte disso é porque alguns clientes preferem interagir com o vendedor e/ou com o produto, como a possibilidade de provar uma peça ou testar um item na hora.

Esse tipo de atendimento não é possível na loja física. Também por isso, conforme já citado anteriormente, é essencial disponibilizar aos clientes bons canais de relacionamento, como chats e WhatsApp.

Além de ajudar a sanar suas dúvidas na hora, recursos como esses podem ser um importante diferencial que ajuda na sua tomada de decisão.

11. Política de troca

Outra questão bastante relevante nas lojas virtuais é a política de troca, fator que leva muitos clientes a desistirem da compra.

Afinal, se precisarem trocar algo comprado on-line, será preciso embalar novamente e despachar via Correio, e muitos não querem ter que passar por isso.

As trocas nas lojas físicas costumam ser mais fáceis. Além da possibilidade de provar ou testar um novo item, as chances de novas aquisições no momento da troca são bem altas.

Como montar uma loja virtual de graça? 

Agora que você conhece um pouco mais sobre os custos para abrir um e-commerce e para abrir uma loja física, que tal descobrir como montar uma loja virtual grátis?

Mas isso seria possível? Bem, em partes. A grosso modo não existe uma loja virtual 100% gratuita. Vamos explicar.

As plataformas prontas, disponíveis na internet, (LikeStore, Enjoei, Elo7, Mercado Livre e outras) ainda que permitam o uso e cadastro dos produtos gratuitamente, cobram taxas por sua utilização.

Os valores dependem muito do serviço escolhido, mas, de modo geral, é cobrada uma porcentagem sobre cada item vendido.

Algumas também costuma cobrar percentuais sobre as transações financeiras (pagamentos via débito, crédito e boleto, por exemplo), ou ainda seguro do frete.

Ainda assim, essa pode ser uma boa saída para quem está iniciando um e-commerce. Isso porque a outra alternativa são as plataformas de código livre, por exemplo, Magento.

Essa opção de loja virtual permite o download e configuração sem custos. No entanto, é preciso ter conhecimento de programação.

Nesse caso, pode ser necessário contratar um profissional, deixando de ser a montagem de uma loja virtual grátis.

ecommerce-loja-virtual-produto-chegou

Como montar uma loja virtual no Instagram?

Mas como você está em busca de como abrir um e-commerce, vamos lhe dar mais uma dica — e essa, podemos dizer que é 100% gratuita!

Trata-se do Instagram Shopping, ferramenta que permite a criação de uma loja virtual em uma das maiores redes sociais do mundo.

Dados de abril de 2020, da Statista, mostram que o Brasil é o terceiro país com mais usuários ativos no Instagram: mais de 82 milhões de pessoas.

tabela statista

Fonte: Statista

Parece bastante promissor, não acha? No entanto, é importante que você entenda alguns detalhes.

O Instagram Shopping não substitui a necessidade de ter um site. Isso porque não é possível finalizar a compra na rede social.

Na verdade, a ferramenta deve ser utilizada para atrair público e fazer propaganda dos itens que comercializa, sem precisar pagar anúncios na rede para isso.

Assim, as vantagens de utilizar o Instagram meio de alavancar seu e-commerce são:

  • link direto para uma página com detalhes do produto e para o seu site;
  • experiência de compra mais otimizada, já que o potencial comprador não precisa sair da rede social para acessar seu site (ele é direcionado automaticamente);
  • sem limitações de links de produtos. Sem essa ferramenta, só é possível colocar 1 link na bio, ou 1 no Stories, esse último desde que se tenha mais de 10 mil seguidores.

Ou seja, pode não substituir a criação de um site, porém, o Instagram é um forte aliado para divulgar o seu negócio e aumentar seu volume de vendas.

Para se ter uma ideia, um dos cases da rede social aponta um crescimento de 42% nas vendas e 98% no tráfego do site. 

Achou interessante? Então veja como montar uma loja virtual no Instagram:

  • cumpra as regras, que são: 
    • vender apenas de produtos físicos; 
    • aceitar as políticas da plataforma; 
    • ter uma conta comercial no Instagram; 
    • associar essa conta à página da empresa no Facebook;
    • ter, no mínimo, 9 postagens ativas no perfil.
  • cadastre os produtos na sua página no Facebook;
  • ative a opção “Compras” no Instagram;
  • marque os produtos e faça a primeira postagem.

O que é mais vantajoso marketplace ou e-commerce?

Agora você saber como montar uma loja virtual! Pelo menos, boa parte do processo.

No entanto, pode ser que ainda esteja como uma dúvida: não seria, então, mais interessante (e vantajoso) utilizar um marketplace?

Anteriormente, já falamos da diferença entre esses comércios, mas vale a pena relembrar:

  • marketplace: plataforma que vende variados produtos de diferentes empresas (shopping virtual);
  • e-commerce: site exclusivo de uma marca.

Em ambos os casos você vai precisar de um CNPJ para trabalhar (explicaremos logo a seguir). Ou seja, esse ponto pode não ajudar na sua tomada de decisão.

Assim, é interessante relembrar algumas vantagens e desvantagens das duas opções:

  • no marketplace é preciso pagar uma taxa pela utilização da plataforma, porém, não há custos com desenvolvimento ou manutenção do site;
  • no e-commerce os lucros são 100% seus, mas é preciso criar o site do zero, ou utilizar uma das plataformas prontas;
  • marketplaces tendem a ser amplamente conhecidos do público, por contarem com uma forte estratégia de marketing e mais tempo de atuação;
  • no caso do e-commerce terá que iniciar seu marketing do zero.

O que muitos empreendedores não sabem é que é possível utilizar os dois canais de vendas simultaneamente.

Grandes marcas mantêm o próprio site e ainda disponibilizam produtos em marketplaces. 

O Boticário, Lojas Marabraz, Dell, Via Marte, World Tennis são apenas alguns exemplos de empresas que trabalham com e-commerce, mas também têm lojas oficiais no Mercado Livre.

Essa abordagem permite atingir um número maior de potenciais clientes, levando, consequentemente, a um volume maior de vendas.

Como empreender on-line do zero? 

Começar uma empresa do zero pode ser bastante desafiador, são vários os detalhes e decisões a serem tomadas. Mas saiba que é totalmente possível.

Tome como exemplo todas as lojas e marcas que você conhece hoje. Concorda que elas começaram de algum ponto? Ou seja, sua jornada também será assim.

Mas como empreender on-line do zero? Veja estas dicas!

  • faça um bom planejamento financeiro;
  • escolha um nicho para atuar;
  • defina quais produtos serão comercializados;
  • monte o seu site, escolhendo um bom nome e o domínio apropriado (geralmente .com é o mais indicado para esse segmento);
  • crie um e-mail com a sua marca;
  • desenvolva uma página de captura de e-mails (landing page);
  • atraia tráfego para o seu e-commerce, por meio de anúncios pagos, SEO, produção de conteúdo e outros;
  • crie uma estratégia de envio de e-mails marketing.

Além disso, é essencial legaliza o seu negócio. Para isso é preciso abrir empresa e obter o seu CNPJ, seguindo a legislação vigente para esse tipo de negócio.

O que mais você precisa saber sobre como abrir um e-commerce?

Mas saber como ter um e-commerce de sucesso requer lidar também com questões burocráticas, como legislações, emissão de notas fiscais e legalização do seu negócio.

Lei do e-commerce

O decreto de lei nº 7.962 de 2013, regulamenta a lei nº 8.078 de 1990, que dispõe sobre o comércio eletrônico.

Nele, é possível ver as regulamentações sobre informações do produto, direito do consumidor ao arrependimento e outras orientações que devem ser acatadas.

Emissão de nota fiscal

A emissão de nota fiscal é obrigatória em qualquer transação comercial no Brasil. Entenda mais nestes dois artigos:

É preciso ter CNPJ para abrir uma loja virtual? 

Ao longo deste artigo falamos várias vezes sobre a necessidade de ter um CNPJ para o seu e-commerce.

Ele é fundamental para que você possa emitir suas notas fiscais e, desse modo, ficar em dia com a Receita Federal. 

Além disso, o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas é fundamental para:

  • contratar fornecedores;
  • cobrar clientes inadimplentes;
  • ter mais credibilidade.

O que é preciso para ter CNPJ de lojista? 

Para ter um CNPJ de lojista você precisa abrir empresa. Para isso, um dos primeiros passos é decidir qual será o formato do seu negócio:

Além de separar toda a documentação para abrir empresa, é preciso emitir contrato social (exceto MEI), fazer o registro na Junta Comercial, entre outras etapas.

No processo de abertura da sua empresa também é preciso definir a CNAE, Classificação Nacional de Atividades Econômicas-Fiscal.

Trata-se do código que determina as atividades que sua empresa pode realizar. É essa definição que também vai determinar quanto, e quais, impostos devem ser pagos.

É interessante que você saiba que não existe uma CNAE específica para e-commerce. Como o código é formado pela atividade comercial, depende do que será comercializado na sua loja virtual.

Uma maneira de encontrar a CNAE certa para a sua empresa é acessando nossa Tabela CNAE completa.

Como abrir empresa pela internet?

Agora que você sabe como abrir uma loja virtual e todas as possibilidades, por que não legalizar seu negócio também pela internet?

Sim, é totalmente possível abrir empresa pela internet

Com a ajuda de uma contabilidade on-line, como a Contabilizei, você passa por todas as etapas do processo de abertura sem precisar sair de casa.

Além disso, terá contadores que cuidarão mensalmente da parte contábil da sua empresa, garantindo que você fique em dia com todas as suas obrigações fiscais.
Quer saber como tudo isso é possível? Acesse agora o nosso site e descubra!

Contabilizei

A Contabilizei é líder em abertura de empresas no Brasil e mantém esse blog para levar conteúdo de qualidade aos pequenos empreendedores.

Deixe um comentário

avatar