Contabilidade

Fórmula ponto de equilíbrio: o que é e como calcular cada um dos tipos

Atualizado em 17 jul 2020

A fórmula ponto de equilíbrio é um cálculo que todo empreendedor deve conhecer e fazer. É ela que identifica o faturamento mínimo, ou o mínimo de produtos que será necessário vender, para que a empresa possua fundos suficientes para cobrir todos seus custos e despesas, tanto fixos quanto variáveis, e para não haver prejuízos. É a partir desse ponto, quando o dinheiro que entrou foi usado para pagar todas as despesas – ou seja, o lucro e o prejuízo estarão na “estaca zero” –, que a empresa finalmente começará a gerar lucro. Para chegar à fórmula ponto de equilíbrio, basta dividir os custos fixos pela margem de contribuição e então multiplicar por 100 para achar a porcentagem.


Da mesma forma como o sonho de qualquer empreendedor é ter uma empresa que lhe traga lucros (e, consequentemente, sucesso), o pesadelo é exatamente o contrário: ter tanto prejuízo a ponto de ter que fechar as portas de seu negócio.

Para que isso não aconteça, é necessário muito planejamento e uma boa gestão financeira. Mas, além disso, é preciso também fazer alguns cálculos específicos para se certificar de que sua empresa está dentro da média em questão à lucratividade e que irá atingir uma boa margem de lucro.

Um desses cálculos – e provavelmente o principal e mais essencial de todos – é a fórmula ponto de equilíbrio. É através dela que se identifica o valor mínimo que sua empresa irá precisar lucrar para que não haja prejuízo.

Entenda exatamente o que é a fórmula ponto de equilíbrio e como calculá-la!

Obrigado

Assine nossa newsletter e
receba conteúdos exclusivos


Entre para a Contabilizei

O que é ponto de equilíbrio

Assim como seu próprio nome sugere, o ponto de equilíbrio é o ponto em que tanto as despesas da empresa, sejam elas fixas ou variáveis, e suas receitas totais (ou seja, o tanto que lucrou) fica em total equilíbrio, uma vez que ambos o lucro e o prejuízo estarão no “zero”. Isso significa que, após pagar todas as despesas e não ter mais prejuízo, é quando você sabe o quanto irá lucrar.

Os empreendedores iniciantes podem achar isso estranho, pois, ao abrir uma empresa, o grande objetivo é ter o máximo de lucro possível. No entanto, a fórmula ponto de equilíbrio não significa que não haverá lucro e, sim, que para não ter prejuízos – ou seja, ficar no negativo – é necessário, no mínimo, lucrar o suficiente para cobrir todas as despesas administrativas.

Assim, se você lucrar o suficiente de modo a nunca deixar de pagar cada despesa que a empresa possuir, pelo menos ela nunca irá à falência. A partir daí, ao definir onde acabam seus prejuízos, é que você saberá onde começa sua lucratividade.

Para entender melhor, despesas e custos fixos são os tipos de gastos que continuam sempre os mesmos independentemente do volume de produção. Algumas das principais delas são:

  • Aluguel;
  • IPTU;
  • Impostos;
  • Salários de funcionários;
  • Serviços de contador, advogados, de segurança, etc.;  
  • Materiais como de limpeza, de escritório, etc.

Já os custos e despesas administrativas variáveis (que podem variar dependendo do volume de demanda e produção) são:

  • Produção e mão de obra;
  • Matéria-prima;
  • Comissões sobre vendas;
  • Incidentes ou acidentes na produção;
  • Multas por atraso ou outras.

Outro ponto que vale a pena ressaltar é que custos são diferentes de despesas. Os custos estão ligados diretamente à produção (matéria-prima, mão de obra, etc.) e as despesas estão relacionadas à manutenção da empresa (aluguel, materiais de limpeza, contas de luz, água, etc.).

Ou seja, o empreendedor terá que estabelecer e separar um valor mínimo de todo o seu lucro e usá-lo para pagar essas despesas citadas acima. Se não houver lucro suficiente para cobrir tudo isso, consequentemente, a empresa ou ficará no negativo, ou terá que usar lucros “futuros” das próximas vendas, mas, de qualquer forma, irá arcar com prejuízos.

Sua contabilidade sempre em dia em poucos cliques

No entanto, se houver uma quantia mais que suficiente de lucros, a empresa poderá pagar todas essas despesas, não ter mais nenhum prejuízo e ainda sobrará – essa “sobra” será o lucro, ou a receita total. Aliás, há um termo para essa quantia que sobra: a margem de contribuição.

A margem de contribuição é importante na fórmula ponto de equilíbrio, pois indica justamente se a receita total da empresa será suficiente para cobrir as despesas e, ainda assim, gerar lucros. Para calcular a margem de contribuição, é necessário subtrair da quantia da receita os custos variáveis. O resultado desse cálculo é usado na fórmula ponto de equilíbrio.

A fórmula ponto de equilíbrio contábil

Entre todos os tipos de fórmula ponto de equilíbrio, a fórmula ponto de equilíbrio contábil é a mais simples e usada, pois, com ela, basta ter uma receita suficiente para cobrir todos os custos e despesas fixas, tendo ambos lucro e prejuízo “zerados”.

Desta forma, o cálculo da fórmula ponto de equilíbrio contábil também é muito simples:

Ponto de equilíbrio contábil = Custos e despesas fixas ÷ Margem de contribuição

Lembrando que, para chegar à margem de contribuição, basta fazer o cálculo: Receita – Custos e despesas variáveis.

A fórmula ponto de equilíbrio financeiro

É parecida com a fórmula de equilíbrio contábil, sendo que a única diferença é que, no cálculo, não é incluso nos custos e despesas fixas as depreciações e outros tipos de despesas que não requerem desembolsos, como, por exemplo, desvalorização de imóveis ou investimentos.

Para que você possa entender melhor, a depreciação pode ser inclusa como um custo, pois em casos onde o ativo (ou seja, bens ou patrimônio de um indivíduo) costumava valer R$10 mil, mas baixou para R$7 mil, os R$3 mil “perdidos” acabam sendo considerados como um custo da empresa. No entanto, com o ponto de equilíbrio financeiro, isso não acontece.

Por isso, a fórmula ponto de equilíbrio financeiro é a seguinte:

Ponto de equilíbrio financeiro = Custos e despesas não desembolsáveis ÷ Margem de contribuição

A fórmula ponto de equilíbrio econômico

Finalmente, o último tipo de fórmula ponto de equilíbrio é o ponto de equilíbrio econômico, que serve para indicar uma receita que não só cobre todos os custos e despesas fixas, mas também garante um lucro mínimo que você deseja atingir. Portanto, é diferente das outras fórmulas por isso – não indica apenas a receita suficiente para ter o lucro e o prejuízo “zerados”.

A fórmula ponto de equilíbrio econômico é:

Ponto de equilíbrio econômico = Custos e despesas fixas + Lucro mínimo ÷ Margem de contribuição

Como calcular o ponto de equilíbrio

Assim como vimos acima com as diferentes fórmulas e pontos de equilíbrio, há três formas de calcular o ponto de equilíbrio. No entanto, em todos esses casos, existem fatores indispensáveis, como os custos e despesas fixas e a margem de contribuição. Então, para calcular o ponto de equilíbrio da empresa, basta usar essa mesma fórmula simples:

Custos e despesas fixas ÷ Margem de contribuição = Ponto de equilíbrio

No entanto, para chegar a essa fórmula ponto de equilíbrio, será necessário antes fazer outros cálculos.

Primeiramente, deve-se somar todos os custos e despesas fixas para chegar a um valor total; em seguida, soma-se também os custos e despesas variáveis para poder calcular a margem de contribuição através da fórmula mencionada anteriormente (Receita – Custos e despesas variáveis).

Por exemplo, digamos que sua empresa irá vender produtos pelo valor de R$20 por unidade (ou seja, a receita do produto/unidade), mas os custos e despesas fixas são de R$3 mil por mês (esse valor pode incluir aluguel, salários, etc.), e os custos e despesas variáveis (como matéria-prima e mão de obra) são de R$10 por unidade.

Isso significa que a margem de contribuição será de R$10 (R$20 da receita – R$10 de despesas e custos variáveis). A partir disso, é possível calcular o ponto de equilíbrio, que deve resultar em 300 unidades (R$3 mil de custos e despesas fixas ÷ R$10 da margem de contribuição). Ou seja, a empresa terá que vender 300 unidades desses produtos para atingir seu ponto de equilíbrio e não ter nenhum prejuízo.

Como aplicar a fórmula ponto de equilíbrio

Para resumir, vimos que o ponto de equilíbrio é necessário para que seja possível “igualar” suas receitas com os custos e despesas fixas para que não haja prejuízos ou, pelo menos, diminua os riscos de prejuízo para a empresa.

No entanto, para aplicar a fórmula ponto de equilíbrio, deve-se usar a porcentagem da margem de contribuição (basta multiplicar o resultado por 100). Desta forma, o empreendedor sabe, em termos mais realistas, como administrar as finanças de sua empresa, se deve diminuir ou aumentar os preços de seus produtos/serviços e ter uma boa gestão financeira.

Por exemplo, se você vende um produto por R$15, mas gasta R$10 para produzi-lo, sua margem de contribuição será de R$5. Ou seja, R$5 dessa margem ÷ R$15 da receita do produto = R$0,33 x 100 para achar a porcentagem = 33% do valor de venda.

Agora, se a empresa que vende esses produtos acaba gastando, no total, R$50 mil por ano para produzi-los e para continuar suas operações, e tem essa margem de contribuição de 33%, quer dizer que o ponto de equilíbrio dessa empresa é de aproximadamente R$151 mil.

Para chegar a esse valor, basta fazer o cálculo: 

R$50.000,00 dos custos e despesas fixas ÷ pelos 0,33 (ou seja, 33%) da margem de contribuição. O resultado exato será de R$151.515,15. 

O que isso significa é que, para não ter nenhum prejuízo, a receita bruta anual de sua empresa deverá ser igual ou maior que esse valor.

ponto de equilíbrio acessando controle financeiro no computador

A importância da fórmula ponto de equilíbrio na gestão financeira

No fim das contas, cálculos, porcentagens e um monte de números não importam se você não souber como aplicar tudo isso à sua empresa de forma rentável e saudável. Para atingir esse nível de sucesso, é imprescindível que você tenha uma boa gestão financeira.

Para isso, a fórmula ponto de equilíbrio ajuda de muitas maneiras a empresa. Por exemplo, ela é o principal indicador do quanto a empresa terá que vender para não ter prejuízos e, assim, pode auxiliar o empreendedor a enxergar se haverá necessidade de redução ou aumento de custos e identificar a capacidade de produção de sua empresa.

Além disso, ela também representa o nível de risco da empresa, pois quanto menor for o ponto de equilíbrio, menos arriscado é o negócio. Isso significa ainda que esse negócio poderá ter mais competitividade no mercado e, consequentemente, maior rentabilidade.

Para alcançar exatamente isso com a fórmula ponto de equilíbrio e ter uma gestão financeira de qualidade, opte, se possível (ou se necessário), pelas reduções do custo do produto e dos custos e despesas fixas da empresa, para que possa aumentar a margem de lucro das vendas. Tudo isso faz com que o ponto de equilíbrio diminua, mantendo o mesmo valor do produto.

Desta forma, você poderá cobrir todos os custos e despesas da empresa e ao invés de deixar o lucro e o prejuízo “zerados”, você apenas eliminará os prejuízos e começará a gerar lucro – um objetivo que todos os empreendedores desejam alcançar.

Com essas informações, ficou claro que a fórmula ponto de equilíbrio é essencial para todas as empresas identificarem como cobrir todos seus gastos de forma a não restar nenhum prejuízo, poder continuar operando e, então, começar a lucrar. Ou seja, é a partir do ponto de equilíbrio que é possível identificar se sua empresa estará na zona de prejuízo ou na zona de lucratividade.

Contabilidade online para facilitar a rotina de pequenas empresas
Contabilizei

A Contabilizei é líder em abertura de empresas no Brasil e mantém esse blog para levar conteúdo de qualidade aos pequenos empreendedores.

Deixe um comentário

avatar