Empreendedorismo Feminino: Importância e desafios

| Atualizado em 11/12/20 | 9 minutos de leitura

O empreendedorismo feminino é um movimento que cresce no mundo inteiro. Fruto do avanço na garantia dos direitos femininos e no caminho à equidade entre homens e mulheres, traz, além da celebrada diversidade, uma quebra de paradigmas e uma desejável renovação no mundo dos negócios. 

Mas, apesar do crescimento, há vários obstáculos ainda a serem enfrentados para que as oportunidades para homens e mulheres sejam equivalentes. Embora representem 52% da população, as mulheres ocupam posição de destaque em apenas 13% das 500 maiores empresas brasileiras. O empreendedorismo feminino colabora para a construção de uma sociedade mais justa na medida em que gera oportunidades de liderança para as mulheres. Assumir o próprio negócio é uma forma de empoderamento e de ascensão para cargos de liderança, com o potencial de colaborar para a modificação desse quadro de desigualdade. 

O empreendedorismo feminino compreende os negócios idealizados e comandados por uma ou mais mulheres e, também, as iniciativas de liderança feminina, incluindo a atuação das mulheres em altos cargos dentro das empresas. 

Empreender é uma atitude de determinação, coragem e inovação, seja para abrir seu próprio negócio, seja para ascender na hierarquia de uma empresa. 

Por que é fundamental estimular o empreendedorismo feminino?

A maior presença das mulheres nos negócios traz melhorias para a sociedade, para a economia e para as empresas. O empreendedorismo feminino desempenha um papel importante para reduzir as diferenças entre as oportunidades de crescimento na carreira para homens e mulheres. Além disso, favorece a diversidade de negócios, graças às perspectivas inovadoras identificadas pelas empreendedoras.

A oxigenação e as novas ideias de mulheres empreendedoras geram benefícios para a economia global e podem redefinir o futuro de serviços e produtos . Elas também são importantes para a estratégia das empresas. Sabe o famoso jogo de cintura e a tão necessária flexibilidade? São as conhecidas soft-skills ou competências comportamentais, extremamente valorizadas no mercado atual e facilmente desenvolvidas pelas mulheres.

Apostar na liderança feminina, portanto, auxilia na valorização de talentos de toda organização, além de promover uma proximidade com a clientela de grande parte das companhias, pois as mulheres são a maioria no Brasil. Segundo uma pesquisa da Organização Internacional do Trabalho, empresas que se preocupam com o impacto da diversidade de gênero na liderança contam com funcionários mais engajados e têm crescimento de 5 a 20% nos lucros. 

Outro fator que revela a importância do empreendedorismo feminino foi identificado em levantamento realizado pelo SEBRAE: as brasileiras empreendem, principalmente, devido à necessidade de ter outra fonte de renda ou para adquirir a independência financeira. Ou seja, o negócio próprio ajuda as mulheres a sustentar suas famílias e diminui ou, até, acaba com a dependência financeira de um companheiro, por exemplo.

empreender-mulher-coach

Empreendedorismo Feminino no Brasil

Segundo o SEBRAE, no Brasil, há 9,3 milhões de mulheres à frente de um negócio, sendo que 45% delas são chefes de família, ou seja, são responsáveis pela principal, muitas vezes, única renda de seus lares. 

Em comparação aos homens empreendedores, elas têm escolaridade 16% superior, mas, mesmo assim, seus negócios faturam 22% menos. Em 2018, por exemplo, os empreendedores brasileiros registraram um rendimento mensal médio de R$ 2.344,00, e as empreendedoras faturam, em média, R$ 1.831,00 mensalmente.

As mulheres representam 48% dos microempreendedores individuais (MEI) no país, se destacando em setores como beleza, moda e alimentação.

Quais os desafios do empreendedorismo feminino?

Para os homens, a principal motivação para abrir seu próprio negócio é a liberdade. Já para as mulheres, é necessário. Na sutileza desse dado, se revela o enorme abismo ainda existente entre as oportunidades oferecidas para as mulheres comparadas às dos homens. 

A maternidade e a dificuldade de se manter no mercado de trabalho, assim como a necessidade de sustentar a família solitariamente são realidades decorrentes da discriminação de gênero no mundo dos negócios.

Como já vimos neste texto, apesar de terem um nível de escolaridade 16% superior, as mulheres continuam ganhando 22% menos do que os homens empresários. 

Outro problema apontado pelo estudo do SEBRAE, citado acima, é que a taxa de conversão de empreendedoras” em “donas de negócio” é 40% mais baixa, pois as mulheres têm maiores índices de desistência em relação aos homens.

Enquanto 65% deles se tornam “donos de negócio” (mais de 3,5 anos à frente da empresa), apenas 39% delas conseguem evoluir até essa fase e consolidar seu negócio.

Além disso, é importante ressaltar que elas ainda pagam taxas de juros mais altas do que os homens (34,6% a.a. contra 31,1% a.a.), mesmo apresentando uma média de inadimplência menor (3,7% contra 4,2%).

Já a pesquisa Mulheres no conselho, publicada em 2018 pela Deloitte, mostra que apenas 8,6% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres no Brasil — no mundo todo, a proporção é de 16,9%. Isso coloca o país na 38º posição do ranking global de liderança feminina nas empresas.

São muitos os desafios enfrentados pelas mulheres e, no meio corporativo, ainda precisam lidar com assédio e com preconceito, como ideias ultrapassadas de que são muito emotivas ou que não poderão se comprometer com a empresa se tiverem filhos. 

Segundo dados da Rede Mulher Empreendedora (RME), 53% das empreendedoras brasileiras têm filhos, sendo que a maioria busca por horários flexíveis que permitam conciliar as tarefas domésticas e a vida profissional.

Apesar de a participação do homem nas tarefas domésticas ter aumentado nos últimos anos, ela ainda está muito distante do peso que têm para as mulheres. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o trabalho “invisível”, não remunerado, que são os afazeres domésticos, significa cerca de 20 horas semanais para as mulheres. No Brasil, a participação do sexo feminino nos afazeres domésticos é de 92,1% contra 78,6% de homens. 

empreender-mulher-computador-colo-

Dia do empreendedorismo feminino

Em função da importância do empreendedorismo feminino para diminuição das desigualdades, valorização da diversidade e contribuição para a economia, foi estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2014, o dia 19 de novembro como o Dia do Empreendedorismo Feminino. 

A ideia é atrair a atenção mundial para o impacto econômico e social do movimento, fortalecendo o protagonismo feminino. A iniciativa é coordenada pela ONU Mulheres, braço da entidade que tem como objetivo unir, fortalecer e ampliar os esforços mundiais em defesa dos direitos humanos das mulheres.

Exemplos de mulheres que nos inspiram

Se você pensou rapidamente em uma mulher empreendedora, muito provavelmente se lembrou da Luiza Trajano, da rede de lojas Magazine Luiza.

Presidente do Conselho de Administração da empresa, ela passou por várias funções e transformou a empresa em uma das mais competitivas do setor varejista e, sempre, emprestando qualidades muito femininas à rede de lojas – empatia, defesa do empoderamento feminino, proximidade com clientes e muita sensibilidade às causas sociais e ambientais. 

Neste ano, inovou ao criar um programa de treinamento para jovens negros, que foi alvo de críticas racistas, mas que não a demoveram do propósito de contribuir para a transformação da sociedade. 

Outra empreendedora muito conectada ao enfrentamento das desigualdades, é a escritora, professora Eliane Potiguara, que se destaca pela defesa das mulheres indígenas.  Ela foi nomeada uma das “Dez Mulheres do Ano de 1988” pelo Conselho das Mulheres do Brasil por ter criado a primeira organização de mulheres indígenas no país: o GRUMIN ( Grupo Mulher -Educação Indígena) e por ter trabalhado pela educação e integração da mulher indígena no processo social, político e econômico no país. Em 1988, contribuiu na elaboração da Constituição Brasileira.

Já a  empresária Ana Fontes foi eleita uma das 20 mulheres mais poderosas do Brasil, em 2019, pela revista Forbes, graças à sua dedicação em apoiar as empreendedoras do país. 

empreender-mulher-fundo-rosa

Nordestina e de origem pobre, ela usou seus erros e acertos na carreira para fundar a iniciativa Rede Mulher Empreendedora (RME), que já capacitou e apoiou mais de 500 mil mulheres interessadas em empreender.

Os serviços prestados pela rede e pelo Instituto RME são gratuitos, e a renda de Ana vem das consultorias prestadas a empresas.

Dessa forma, ela conseguiu usar sua experiência profissional para mudar os rumos do empreendedorismo feminino no Brasil.

Se pensarmos em empreendedorismo digital, a blogueira Camila Coutinho é um sucesso. Em 2020, está na lista das vinte brasileiras mais poderosas da Forbes. O seu blog, Garotas Estúpidas, começou como uma brincadeira entre amigas e se transformou em um negócio altamente lucrativo, com crescimento comercial de 600% em 2020.

Exemplos de mulheres poderosas não faltam. Fundadora do festival de cultura negra Feira Preta, Adriana Barbosa começou com apenas 3 mil reais de patrocínio, em 2002, e, em 2019, movimentou R$ 1,5 milhão e seu evento já  é considerado a maior feira de afro empreendedorismo da América Latina. 

Conhecida por ser a primeira mulher negra a ocupar o posto de CEO de uma multinacional no Brasil, Rachel Maia hoje preside sua própria consultoria de negócios – RM Consulting. Na sua trajetória profissional, em empresas como Tiffany e Pandora, foi reconhecida pela gestão humanizada, o que lhe rendeu cinco prêmios Great Place to Work de liderança.

Muna Darweesh fugiu da guerra civil da Síria, em 2013, e encontrou no Brasil a acolhida para ela e sua família. Com dificuldade de exercer sua profissão, professora de inglês, teve a ideia de vender doces árabes tradicionais e, hoje, está à frente do Muna – Sabores & Memórias Árabes, em São Paulo. 

Com tantas histórias inspiradoras, você também está disposta a empreender? Sim, há desafios a serem enfrentados, mas com a ajuda da Contabilizei tudo fica mais fácil. 

Vitor Torres - CEO e fundador da Contabilizei

Escrito por:

Vitor Torres - CEO e fundador da Contabilizei

Vítor é Administrador de Empresas, Empreendedor Endeavor, CEO e fundador da Contabilizei, o primeiro e maior escritório de contabilidade online do país. Vítor lidera a maior inovação da indústria contábil das últimas décadas ao levar a contabilidade de pequenas empresas para o mundo digital. Atualmente, Vítor lidera mais de 400 fanáticos em contabilidade que impactam positivamente a vida de mais de 20.000 empresários no país.

Deixe um comentário

avatar